Como ajudar as crianças a processar o luto e conversar sobre a morte

Perder uma pessoa querida é uma experiência terrível em qualquer idade, mas para as crianças pode ser ainda mais difícil, já que elas não entendem muito bem os próprios sentimentos.

Com a pandemia de coronavírus, aumentou o número de crianças que precisaram passar pelo processo de luto.

Entre abril de 2020 e o final de janeiro de 2021, a Childline ofereceu 3.379 sessões de aconselhamento sobre luto para jovens.

As crianças e os adolescentes que conversam com o serviço Childline, oferecido pela NSPCC (Sociedade Nacional para a Prevenção da Crueldade às Crianças), do Reino Unido, dizem que sentem-se confusas, com medo, sem ação ou descontroladas e algumas não sabem se conseguirão voltar ao normal.

Uma garota de 17 anos contou ao serviço que estava com dificuldades para enfrentar o luto pela morte da avó. "Ela me dava muito apoio emocional e agora, sem essa força, estou sofrendo muito", disse a garota.

"Além disso, o coronavírus me deixa ansiosa e comecei a ter ataques de pânico. Por causa do novo lockdown, é mais difícil conversar com os amigos sobre esses problemas, fico com mais ansiedade ainda. Não sei o que fazer, estou morrendo de medo", continuou ela.

Uma garota de 13 anos disse que estava sentindo "um redemoinho de emoções" depois da morte do avô.

"Passei por um período sombrio nos dois primeiros lockdowns e não quero passar por isso de novo", disse ela.

"Quero me lembrar dos momentos felizes e não da tristeza pela morte do meu avô, mas com mais um lockdown, fica difícil", concluiu.

Segundo Wendy Robinson, chefe do serviço Childline, as crianças podem ter muito mais dificuldade em processar sentimentos de perda ou luto, portanto, é comum que elas não entendam se essa sensação é normal.

Transcrito do Yhaooo Notícias

Deixe seu comentário